Imagem capa - Meu primeiro parto: a chegada da Mafê por Mayara Barbosa Fotografia
Em Foco

Meu primeiro parto: a chegada da Mafê

Olá, meus amores! Tudo bem com vocês?

Primeiramente, um feliz ano novo a todos! Que 2020 seja um ano muito abençoado e cheio de oportunidades. Oportunidades lindas como as que eu tive em 2019, e é sobre uma delas, uma das últimas aliás, que eu venho falar para vocês.




Ano passado tive a oportunidade de conhecer o Dr. Marcelo e a Dra. Lívia da Clínica Daia Venturieri, dois obstetras maravilhosos que tenho enorme orgulho e carinho de chamar de parceiros. Logo na primeira reunião eles me perguntaram se eu fotografava partos, coisa que na época eu ainda não fazia por não ter os equipamentos próprios. Algum tempo depois, quando finalmente consegui atualizar meus equipamentos, fui conversar novamente com eles que de prontidão me convidaram para participar do Curso de Gestantes CDV que ocorreria no dia 07 de dezembro e que, obviamente, eu aceitei na hora e tive a honra de participar e conhecer muitas pessoas maravilhosas, além de aumentar meus conhecimentos para aplicar no estúdio.



 
2ª Edição do Curso de Gestantes CDV - São Paulo, 07 de Dezembro de 2019.



Logo após o curso, surgiu uma oportunidade de fotografar o meu primeiro parto! A mamãe estava se preparando para o parto normal e eu estava, secretamente, torcendo para que tudo desse certo, já que o parto normal me assustava bem menos que uma cesárea. Nunca gostei muito de hospitais e, embora nunca tenha tido problemas com sangue, a ideia da anestesia, do corte, do centro cirúrgico, dos cheiros... enfim: fora o sangue, todo o resto me apavorava!

Mas o Papai do Céu sabe das coisas não é? Como sempre, Ele me mostrou que todos os meus medos são bobagem! Pois bem: a cesárea foi agendada... Ai, ai!

Cheguei no hospital mais cedo e subi para o quarto junto com a mamãe. Minha ideia era fotografar alguns momentos antes como o quarto da maternidade sendo arrumado, a família chegando... esses momentos que antecedem o nascimento. Claro que meu objetivo oculto era simplesmente me ambientar e me acalmar um pouco antes de descer para o centro cirúrgico, mas era o tipo de coisa que eu jamais confessaria. Tenho um poder incrível de parecer plena quando por dentro estou quase tendo uma síncope! (hehe)



Finalmente chegou o momento! A mamãe se trocou e desceu comigo atrás (com o coração quase saindo pela boca). Me troquei também (fun fact: peguei uma calça um tamanho menor que ficou super justa e eu passei a cirurgia inteira morrendo de medo dela rasgar!) e enquanto esperava a ordem para descer, parei de frente para a recepcionista e tentei me acalmar. Fechei os olhos e respirei fundo. Fiz uma pequena oração às pressas pedindo calma, concentração e um olhar bonito sobre esse momento tão importante na vida daquela família. Prece finalizada, era hora de entrar.  



A partir do momento que eu entrei na sala, minha preocupação deixou de ser passar mal... vi todos os instrumentos e me concentrei totalmente em não encostar em nada, em não tropeçar em nada e  em não atrapalhar a equipe que cuidava da mamãe com tanto carinho. Me esforcei ao máximo para encontrar um lugar no qual eu não atrapalhasse ninguém e ainda tivesse uma boa visão da mamãe e ali fiquei o mais imóvel que pude. Procurei me tornar invisível e num piscar de olhos... plim! Maria Fernanda chegou a esse mundão!



Fui inundada por uma emoção tão grande que jamais conseguiria colocar em palavras. Ouvir o primeiro chorinho dessa pequena fez meu coração bater na garganta e a minha vontade era largar tudo e pegá-la nos braços (sim, sou essa titia louca que não pode ver um neném). O medo se dissipou e se transformou em amor e gratidão. Eu sei que parece exagerado e meloso dizer que eu amo cada bebê que já passou pelo estúdio, mas é a mais pura verdade. Me derreto toda com cada sorriso e dói na alma vê-los chorar mesmo quando eu sei que não é nada sério, apenas susto ou estranhamento. Quando os faço dormir... Ah! Melhor sensação não tem!!!

Queria terminar esse texto e começar o ano dizendo que crianças são feitas de luz e pó mágico e que o mundo seria horrível sem elas nos colorindo. E claro! Que eu amo meu trabalho!




E aí... como foram os seus partos? Do que vocês mais se lembram? Contem aqui nos comentários!

Um beijo enorme a todas vocês e um lindo ano novo!